Archive for the 'Colaboradores' Category

09
Dez
09

Inventar o próprio destino

Entre nós, no Brasil, o futebol sempre nos serviu como uma metáfora da vida – o
justo e o injusto, o drible, o imponderável, a paixão, a dor. Nelson Rodrigues,
como todos sabem, expressou muito os encontros do futebol com a vida e muitas
das suas histórias parecem escritas entre quatro linhas.

Eu queria acrescentar um capítulo a esse encontro entre futebol e vida. A
história que o Fluminense escreveu nos últimos três meses no Campeonato
Brasileiros – desde o dia em que os estatísticos, os jornalistas esportivos e
os torcedores dos outros times decretaram que ele tinha apenas 2% de chances de
não ser rebaixado para a Série B – parece-me ideal para refletir sobre algo que
acompanha o ser humano: o destino.

Muitos filósofos fazem a distinção entre “desejo” e “vontade”.  O desejo é algo
que compartilhamos com vários outros animais, como gatos, lobos e baleias:
desejamos comida, abrigo, parceiros sexuais e nossos comportamentos são
dirigidos à satisfação desses desejos. Porém, algo que é peculiar às pessoas –
que nos distingue do resto da natureza – é o fato de que podemos refletir sobre
nossos desejos, escolhê-los, ponderar sobre eles. Alguém pode “querer não
desejar algo”, como é o caso de uma pessoa que quer deixar de fumar ou fazer
apostas (como no caso clássico de O Jogador de Dostoyevsky). A vontade é o modo
como escolhemos o que fazer e o que somos. É claro que essa escolha não é como
um fenômeno natural, pois sempre é possível que não se realize. Porém, somos
pessoas – somos seres racionais, humanos, temos alma – sempre que vivemos à luz
da nossa vontade. O humano é uma luta contra o destino.

O time do Fluminense desafiou o destino e fez uma campanha apaixonante nos
últimos meses. Cuca conseguiu criar um time, foi atento ao elenco que dispunha,
barrou alguns jogadores inquestionados pela diretoria e torcida, promoveu
jogadores improváveis, organizou um esquema consistente. Alguns jogadores
trouxeram para si a responsabilidade e, com isso, conseguiram conquistar a
torcida. O time ficou, ao mesmo tempo denso, volumoso, voluntarioso e
agressivo.

Até ontem, 6 de dezembro, até os 49 minutos do segundo tempo em Curitiba, não
havia garantias, apenas a vontade – não apenas o desejo de vencer, mas o desejo
de querer vencer, o desejo de ter forças. Foi apenas um ponto… um único
pontinho. E o Fluminense desafiou provável e inventou o próprio destino.

Para mim, essa é a mais perfeita metáfora, a vida.

Waldomiro

Anúncios
04
Maio
09

estimulantes, café e história

sb10064395a-0011

Como fazíamos sem Cafezinho
A humanidade nunca perdeu o sono com a falta de estimulantes

Faz muito tempo que o homem usa substâncias estimulantes socialmente. Os primeiros registros da utilização de chá – a mais antiga delas – datam de 2737 a.C., na Ásia. Ele teria sido descoberto pelo imperador chinês Shen Nung, que quando ia tomar água fervente (um costume à época), acabou bebendo o resultado da infusão de algumas folhas que caíram de uma árvore, a Camellia sinensis, dentro de sua xícara.

Ele sentiu-se revigorado – e, claro, também deve ter achado o sabor bem melhor que o da água quente.

As folhas de coca também podem ser apontadas como um dos primeiros estimulantes. Foram encontrados vestígios delas em múmias egípcias datadas de 1070 a.C. – no entanto, não se sabe se elas eram usadas recreacionalmente ou com fins médicos, como um anestésico.

O café foi, porém, o primeiro produto anunciado e vendido como estimulante. Descoberto na Etiópia por volta de 800 a.C., já na época era considerado perigoso – deixava o povo acordado e disposto a discutir. A bebida chegou à Europa séculos depois impulsionada pelo sucesso do chá. Nos anos 1300, o chá, já bem popular no Oriente, foi “descoberto” pelos portugueses e passou a ser comercializado pelos holandeses.

Duzentos anos mais tarde, o café seguiu o mesmo rumo, saindo da Turquia, onde era bastante consumido.

Antes da fama, ele chegou a ser proibido na Turquia do século 14 e dava cana para quem fosse pego bebendo-o: seis meses de prisão. Na Itália, o povo chegou a pedir ao papa Clemente VIII, em 1615, que declarasse que o cafezinho era a “bebida do demônio”. Mas, uma vez de excomungar a bebida, o papa acabou é virando seu fã – e chegou a abençoá-la.

O conceito de “café da manhã” é uma invenção do século 18. Os antigos europeus acordavam com o nascer do sol e não tinham uma bebida específica para espantar o sono. Antes de conhecerem o café, os mais ricos bebiam leite ordenhado na hora ou vinho quando acordavam. Os pobres encaravam água ou cerveja logo pela manhã – até as crianças.

Artigo originalmente publicado em: Aventuras na história, n. 36, p. 16, ago. 2006.

Autora: Anna Carolina Fagundes

Este texto foi sugerido por Lisandra Santos e inaugura nossa sessao de colaboradores do Cafelittera!